Grandes vendas de soja dos EUA contradizem planos de corte de importação da China

Os exportadores de soja dos Estados Unidos recentemente registraram vendas recordes de safras antigas e as encomendas de novas safras estão bem acima do normal, contradizendo de forma constrangedora a mais recente previsão da China de reduzir drasticamente a demanda.


A demanda no exterior pela oleaginosa dos EUA ficou abaixo da máxima do ano passado, como esperado, mas graves perdas de safra na América do Sul e o aumento dos preços globais recentemente despertaram compradores tanto para a safra atual quanto para a próxima temporada.


Em 10 de fevereiro, as vendas de exportação de soja dos EUA para o ano comercial de 2021-22, que se encerra em 31 de agosto, totalizaram 48,1 milhões de toneladas, cerca de 86% da previsão anual do Departamento de Agricultura. A abrangência era de 77% quatro semanas antes.


Isso está abaixo de 97% na mesma data do ano passado, mas apenas um pouco atrás da média pré-guerra comercial, e as vendas ainda estão chegando. O USDA anunciou ontem que 120 mil toneladas de soja de safra antiga dos EUA foram vendidas para compradores desconhecidos.


Essa enxurrada de pedidos de safras antigas, cerca de 6,3 milhões de toneladas entre 1º de janeiro e 10 de fevereiro, é provavelmente um recorde para o período e um aumento de 28% em relação à máxima de mais de uma década do ano passado. Isso inclui mais de 2 milhões de toneladas em vendas líquidas para a China e cerca de 2,8 milhões em vendas brutas para compradores desconhecidos.


As preocupações com a demanda futura de soja são evidentes no progresso das vendas de 2022-23, que atingiu 4,5 milhões de toneladas em 10 de fevereiro. Isso é apenas cerca de uma carga atrás do ritmo do ano passado, que foi uma máxima de 10 anos.


A China respondeu por 2,58 milhões de toneladas de vendas de soja da nova safra nos EUA até 10 de fevereiro, e compradores desconhecidos, muitos dos quais provavelmente representam a China, garantiram 1,55 milhão. A maioria dessas compras ocorreu desde 1º de janeiro.


As recentes compras de soja da China nos EUA, especialmente para o próximo ano de comercialização, são contraditórias com o relatório de ontem da agência de notícias Xinhua de que a China pode reduzir a demanda de soja em 30 milhões de toneladas.


O suposto momento para isso não estava claro, embora uma redução desse tamanho seria um corte de 30% nas importações anuais ante os níveis atuais e mais de um quarto no consumo doméstico. Isso colocaria a demanda chinesa por soja próxima dos níveis de 2013/14.


Fonte: Reuters

22 visualizações0 comentário