Forte alta de Chicago aumenta preços da soja, mas queda do dólar segura elevação mais acentuada

A forte alta dos contratos futuros em Chicago impulsionou os preços da soja no mercado físico brasileiro. No entanto, a queda do dólar limitou a elevação. Houve uma melhora na comercialização, principalmente nos portos. No físico, apenas lotes pontuais trocaram de mãos.


Soja em Chicago


Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) devem fechar a semana com preços acentuadamente mais altos. Impulsionado por uma combinação de fatores, os preços atingiram ao longo da quinta-feira (26) os maiores patamares em três meses.


A forte alta do petróleo e dos óleos vegetais no mercado internacional e o clima de menor aversão ao risco no cenário financeiro garantiram o impulso às cotações. Para completar o quadro positivo, há reocupações quanto ao excesso de chuvas na parte norte do cinturão produtor americano, o que poderia adiar os trabalhos de plantio nas Dakotas e em Minnesota.


As exportações líquidas norte-americanas de soja, referentes à temporada 2021/22, com início em 1 de setembro, ficaram em 276.800 toneladas na semana encerrada em 19 de maio. Representa um recuo de 63% frente à semana anterior e uma retração de 48% sobre a média das últimas quatro semanas. [...]


Câmbio


O dólar comercial está cotado em R$ 4,78 nesta sexta-feira e teve forte desvalorização ante ao real na semana.


Com informações de: Canal Rural

0 visualização0 comentário